Patricia Lelis pode pegar de 6 a 20 anos de cadeia por extorsão e denunciação caluniosa

Segundo reportagem da rádio CBN, Talma Bauer admitiu que deu dinheiro ao um amigo de Patricia Lelis para que em troca ela parasse de acusar Marco Feliciano de estupro.

Tudo indica que o Caso Feliciano vai mesmo tomar um rumo bem diferente do que aparentava inicialmente, porque agora nem mesmo a polícia acredita em Patricia Lelis. Segundo reportagem da rádio CBN, Talma Bauer, assessor de Feliciano, admitiu à polícia que pagou cerca de R$ 20 mil reais a um amigo de Lélis para que ela parasse imediatamente de acusar o pastor Marco Feliciano. Para polícia não há dúvida que o dinheiro foi pago porque Patrícia extorquiu Talma Bauer. Para o delegado Luiz Roberto Hellmeister, que está a frente das investigações, Patrícia mentiu várias vezes ao longo das investigações no intuito de incriminar Feliciano e os assessores dele.

A jornalista Patrícia Lelis, o deputado federal Marco Feliciano e o assesor dele, Talmo Bauer (Foto: Reprodução/GloboNews, Nilson Bastian/Câmara dos Deputados e Reprodução/TV Globo)
A jornalista Patrícia Lelis, o deputado federal Marco Feliciano e o assesor dele, Talmo Bauer (Foto: Reprodução/GloboNews, Nilson Bastian/Câmara dos Deputados e Reprodução/TV Globo)

Uma das mentiras, segundo o delegado, é de que ela teria sido sequestrada e mantida sob cárcere para gravar o vídeo em que desmente as acusações que tinha feito contra o deputado anteriormente.

Imagens de câmeras de segurança do dia em que teria ocorrido o suposto sequestro mostram Patrícia em um hotel na cidade de São Paulo junto com Bauer. Os dois aparecem descontraídos e, inclusive, se abraçam. De acordo com o delegado, a jornalista hospedou a mãe e um amigo no mesmo hotel, o que descaracteriza a versão de que ela foi coagida a recuar das acusações.

“Ela ameaça divulgar uma notícia bombástica, ainda piorando porque ele é pastor, não é só deputado, e que pode ter um dano incalculável na vida dele. Ela está condicionando contar um fato real ou mentiroso para ter uma vantagem”, afirmou o delegado Hellmeister.

Ainda segundo o Hellmeister, Patricia será denunciada por extorsão e denunciação caluniosa, penas que somadas variam de 6 a 20 anos de cadeia.

Comente pelo Facebook

Comente pelo Facebook

Rede Pentecostal

A Rede Pentecostal é um site de Notícias Evangélicas do segmento pentecostal.