Canal que criticava a IPDA é excluído do Youtube


“O Falso Evangelho” foi banido do Youtube após denuncias de violação de direito autoral


O canal “O Falso Evangelho”, foi excluído do Youtube na semana passada de acordo com os administradores do canal. “O Falso Evangelho” ficou conhecido no meio gospel por divulgar denúncias e críticas a igrejas evangélicas e pastores pentecostais. Um dos ministérios mais atingidos pelas críticas do canal era a Igreja Pentecostal Deus é Amor (IPDA).

Criado em Abril de 2016, o canal “O Falso Evangelho” tem feito uma oposição ferrenha à Igreja Deus é Amor nas redes sociais. Diariamente o canal publicava vídeos no Youtube com criticas aos deusamorenses, que vão desde a denúncias de falsas curas ocorridas na IPDA até acusações de má gestão do uso dos dízimos pela família Miranda. Com uma vinheta de abertura característica que mostra um lobo vestido de terno portando uma mascara de ovelha nas mãos, acompanhada pela voz de Cid Moreira dizendo “esses cachorros são gulosos e sempre querem mais comida e os pastores do meu rebanho não entendem nada todos seguem seus próprios caminhos e procuram seus próprios interesses”, os vídeos publicados pelo canal já causaram muita polêmica no meio evangélico. No ano passado o canal chegou a publicar um documento mostrando a partilha de bens deixados por David Miranda que segundo o canal deixou mais de cem milhões de reais em bens e dinheiro para a viúva e seus filhos. O canal também foi, junto com outros canais do Youtube responsável pelas denúncias que levaram a queda do Pastor David Miranda Filho, irmão gêmeo de Débora Miranda, em Outubro do ano passado após o envolvimento do pastor em conversas indecentes com uma jovem na internet.

A fama repentina do canal “O Falso Evangelho” causou uma guerra com os “deusamorenses”. Para Débora Miranda, a vice-presidente da instituição, o canal foi criado para “difamar a Igreja Deus é Amor com vídeos e depoimentos falsos. “Há um canal ativo no Youtube, criado especificamente para difamar com mentiras e videos com imagens, fotos, depoimentos falsos e administradores ocultos, que não se revelam, talvez por temerem encarar a verdade”, declarou a cantora que publicou o link do canal pedindo que todos o denunciassem.

Débora ainda chegou a afirmar ano passado que a IPDA estava sendo alvo de muitos ataques de pessoas que “escondem seus rostos, suas identidades, assim como as verdades em suas informações” e garantiu que a igreja não ficaria inerte perante o que estava ocorrendo. “Não nos calaremos, pois nosso compromisso é com Deus!”, declarou.

De fato o ministério não ficou quieto. Moveu uma ação em março do ano passado, exigindo que a gigante americana Google revelasse a identidade das pessoas por trás de canais anônimos que estariam criticando a denominação. O objetivo seria responsabilizar criminalmente os críticos. Como até o momento o processo se arrasta na justiça, o meio encontrado para derrubar o canal foi fazer sucessivas denúncias contra ele. Em entrevista à Rede Pentecostal, os administradores do “O Falso Evangelho”, confirmaram que o canal recebeu denuncias de violação de direitos autorais, movidos por alguns usuários. Para os administradores do canal, os argumentos utilizados para denunciar o canal são falsos, pois segundo eles não violaram qualquer direito autoral. Um dos vídeos que o canal alega não ter cometido qualquer violação de direito autoral, foi referente a uma matéria publicada pela Rede Pentecostal em Novembro do ano passado. “O Falso Evangelho” utilizou prints de uma reportagem sobre um estudo da PUC-SP sobre o processo de sucessão e liderança da IPDA. Segundo “O Falso Evangelho” esse vídeo foi denunciado por um pastor por suposta violação de direitos autorais. 



Para a especialista em Marketing Digital, Joana Molina*, a facilidade que esses strikes (notificações de violação de conteúdo) afetaram o canal “O Falso Evangelho”, é no mínimo curiosa. A profissional que atua na assessoria de cantores evangélicos nas Redes Sociais garante que não é tão fácil denunciar alguém por direito autoral no Youtube. “Tem que ter provas, não basta apenas afirmar que possui os direitos de um vídeo, tem que apresentar garantias sólidas de que você é realmente dono da trilha sonora, das imagens ou de qualquer outro recurso que apareça no vídeo”, afirma Molina. A especialista acredita que não foram somente os strikes que causaram a exclusão do canal. O administrador da Rede Pentecostal, Saulo Souza da Cruz compartilha da mesma opinião. Para ele o processo movido pela IPDA contra a Google pode ter deixado a empresa Americana de olho no “O Falso Evangelho”.  Acompanhe abaixo a entrevista de Saulo com os administradores do canal “O Falso Evangelho” realizado ontem via hangouts:

Rede Pentecostal: Como vocês tomaram conhecimento da exclusão do canal? O Youtube alertou vocês previamente?

O Falso Evangelho: Sim Saulo, um pastor chamado Jefferson Virgulino denunciou falsamente dois vídeos de meu canal alegando possuir os direitos autorais, inclusive o primeiro vídeo denunciado foi aquele que você fez sobre um professor da PUC ter estudado e provado uma grande divisão e guerra interna na IPDA, ele denunciou esse vídeo alegando ser o dono dos direitos autorais, posteriormente o youtube me notificou dizendo que mais duas denúncias meu canal seria punido ou excluído, passou uns dias o mesmo pastor Jefferson falsamente fez mais uma denúncia alegando novamente ser o dono dos direitos autorais de um vídeo que eu fiz sobre o cine de campinas oferecer vaga de emprego e um ex-pastor da ipda chamado Júlio Cézar se negar a aceitar as ofertas de emprego, ou seja Saulo novamente esse pastor não era dono dos direitos pois a matéria foi de um jornal da região de Campinas, mais uma vez recebi a segunda notificação e esse mesmo pastor começou a encher meus vídeos com mensagens pedindo para os membros da IPDA fazerem o mesmo me denunciando, por ultimo em poucos dias mais um pastor da IPDA chamado Edilson Trindade da IPDA do estado de SP fez a ultima denúncia, e o Youtube excluiu meu canal, as notificações estão todas aqui salvas no meu e-mail inclusive o print desse pastor Jefferson na denuncia alegando ser dono dos direitos autorais da matéria do seu jornal.

Tenho até e-mail salvo desse pastor Jefferson me pedindo para parar com os vídeos e me evangelizando.

Arte que era utilizada no canal “O Falso Evangelho”, antes de ser excluído.

Rede Pentecostal: Então para você os obreiros da Igreja Deus é Amor usaram um argumento falso para retirar seus vídeos do ar?



O Falso Evangelho:  Sim usaram e eu posso provar a você e a todos Saulo, pois tenho aqui as notificações , e-mails e o print.

Rede Pentecostal: O público tem acompanhado, inclusive através do nosso portal que a diretoria da IPDA iria abrir uma guerra contra canais que estavam mostrando denuncias contra a “Deus é Amor”, você acha que essas denúncias contra o seu canal tem alguma ligação com a diretoria dessa igreja?

O Falso Evangelho: Eu tenho certeza que tem sim ligação pois depois que a Débora Miranda se pronunciou no youtube pedindo para denunciarem o canal “O Falso Evangelho”, aumentou drasticamente o número de mensagens de ódio e até ameaças nos vídeos postados em meu canal, ameaças que membros iriam até a delegacia me processar por perseguição religiosa, membros formando grupos de zap para tramarem denúncias contra meu canal etc, outra questão importante Saulo é que fiz o segundo canal, canal “O Falso Evangelho 2” postei um vídeo de introdução e na mesma semana fui denunciado novamente e estou proibido de postar vídeos no segundo canal.

Rede Pentecostal: Em março do ano passado, a “Deus é Amor”, processou o Google, exigindo a identidade de canais anônimos que estavam postando críticas à IPDA. Vocês acreditam que esse processo judicial também pode ter influenciado na exclusão do canal?

O Falso Evangelho: Olha Saulo creio que sim, pois é muito estranho o Youtube aceitar duas denuncias falsas de direitos autorais, inclusive o mesmo vídeo que o pastor Jefferson denunciou como sendo dono dos direitos, o da matéria da PUC que você fez no seu site, esse mesmo vídeo está em outros dois canais, e eles não receberam nenhuma denúncia do pastor Jefferson e nem foram tirados do ar, ou seja, o problema era estar no canal “O Falso Evangelho”.

Rede Pentecostal: Porque vocês acham que os vídeos de vocês incomodam tanta gente?

O Falso Evangelho: Porque o canal o falso evangelho foi o primeiro canal do Brasil a denunciar verdadeiramente a hipocrisia existente na IPDA tanto dentro da diretoria quanto entre os próprios membros, foram denúncias verdadeiras que acabaram fazendo multidões de membros e visitante abrirem os olhos, essas pessoas saíram em massa da IPDA ou para outros ministérios ou para reuniões nos lares, Saulo, foi o único canal que bateu de frente com a diretoria em sua hipocrisia e engano e a IPDA sabedora disso tinha grande anseio pelo fim urgente do canal, inclusive recebi muitos e-mails e mensagens Saulo de membros da IPDA que eram simpatizantes do canal esses membros relatavam que em reuniões eles estavam sendo orientados a não assistirem vídeos de denúncias e críticas contra a IPDA na internet e nessas reuniões cuidadosamente tomavam o cuidado para não citarem a palavra canal “O Falso Evangelho”, assim evitavam que mais membros tivessem acesso ao canal, ou seja Saulo, o canal com seus vídeos conseguiu tirar pastores, obreiros, diáconos, membros e etc da IPDA e ainda colocar muita dúvida e questionamentos na mente e no coração de muitos membros na ativa lá dentro.



Rede Pentecostal:  Um dos vídeos mais importantes que o canal de vocês postaram, dizia a respeito de uma herança de mais de 100 milhões de reais deixada pelo fundador da IPDA, o Missionário David Miranda. Vocês apresentaram documentos, divulgaram imóveis e muitos outros bens que seriam ligados à família Miranda. Alguns começaram a chamar vocês de “wikileaks evangélico”. Depois disso, as críticas à forma como a família Miranda administra as finanças da igreja começaram a se acentuar, tanto que Débora Miranda em uma reunião na Sede Mundial, chegou a explicar que o dinheiro doado na igreja estava em boas mãos. Porque vocês acham que a IPDA faz mal uso dos dízimos?

O Falso Evangelho: Faz mal uso porque estão há anos enganando os incautos com esse falso ensino, existia o dízimo dos pobres das viúvas dos órfãos e dos estrangeiros, esse dízimo nunca foi em dinheiro eram alimentos , esses dízimo eram das colheitas juntadas a cada 3 anos nas cidades de israel, não existe menção alguma de dízimo ser dinheiro nas escrituras, esses dízimos que eram alimentos eram para alimentarem os pobres, a IPDA nunca fez isso nunca cumpriu verdadeiramente o mandamento do dízimo, conheci centenas de casos na IPDA de dizimistas passando fome e a diretoria negar ajuda, os dízimos na IPDA tem apenas uma finalidade que é enriquecer e sustentar o luxo da família Miranda e isso o canal desde o começo faz questão de frisar nos vídeos. Deuteronômio cap 14 v 22 ao 29, a IPDA esconde dos membros e não cumpre.

Rede Pentecostal: Como vocês pretendem reverter essa alegada situação de censura no Youtube?

O Falso Evangelho: Estaremos brevemente tentando burlar essa questão tentando usar o próprio youtube, não conseguindo teremos que migrar para outra plataforma, no momento estaremos dando prioridade a página o falso evangelho no Facebook.

Rede Pentecostal: Então as denúncias vão continuar?

O Falso Evangelho: Sem dúvida alguma não nos intimidaremos com ameaças nem nada do tipo, as denúncias vão sim continuar a verdade será dita e voltaremos com denúncias ainda mais graves, possuo muito material enviado por próprios membros que acabei não postando no primeiro canal, e não exitarei em postar no segundo. Voltaremos ainda mais fortes.

Rede Pentecostal: Vocês tem mais alguma coisa a mencionar?

O Falso Evangelho: Sim agradecemos aos inscritos que até aqui nos acompanhou de norte a sul do Brasil agradecemos também o apoio de membros da IPDA na ativa e gostaria de dizer que sem a ajuda e a confiança desses inscritos o canal não existiria.

* O nome real da entrevistada foi modificado a pedido dela.

A Rede Pentecostal é o maior portal de Notícias Gospel do segmento pentecostal no Brasil.