Estado Islâmico atormenta mãe iraquiana enviando fotos do filho capturado de 6 anos


Uma mãe iraquiana deslocada detalhou como o Estado Islâmico a torturou enviando fotos e vídeos de seu filho capturado de 6 anos de idade com armas sendo apontado para ele.

Uma mãe Yazidi chamada Gule, detalhou em entrevista à BBC como sua família, como muitas outras famílias Yazidi, foi arrancada de sua casa quando o Estado Islâmico (também conhecido como ISIS, ISIL ou Deash) invadiu o norte do no verão de 2014.

O EI varreu aldeias Yazidi mais de dois anos atrás, deslocando mais de 360.000 Yazidis, que foram separados pelos terroristas entre meninas, mulheres e crianças e homens adultos. Muitos dos homens Yazidi foram mortos em massa, enquanto as mulheres e meninas foram forçadas à escravidão sexual e os rapazes foram levados e treinados para serem jihadistas ou suicidas .

A família de Gule não foi diferente. Ela explicou que quando EI assumiu sua aldeia, seu marido foi levado e provavelmente morto. Ela acrescentou que seus dois filhos mais velhos foram levados para a fortaleza de EI em Mosul e ela não viu nem ouviu falar deles desde então.

Gule explicou que ela foi inicialmente autorizada a permanecer com seu filho mais novo, que tinha apenas quatro anos de idade na época. No entanto posteriormente, o EI tomou dela a criança também.

“Somos gente inocente, Deus nos deu esta religião e nós o adoramos”, disse Gule. “Mesmo que nós não fazendo nada de ruim para ninguém, Daesh nos prejudicou.”
Embora Gule não tenha ouvido de seus dois filhos mais velhos, ela afirmou que o EI tem atormentado a ela, enviando fotos  e vídeos de seus filhos para o seu celular.

Uma das fotos é enviada é de seu filho mais novo agora de 6 anos de idade, agachado com um rifle.

“Eles fazem isso para brincar com nossos sentimentos e nos machucar, quando vemos nossas crianças com armas apontadas para eles”, explicou Gule.

As imagens trazem emoções conflitantes para seu coração.

“Por um lado, estou feliz que ele ainda está vivo”, disse ela, acrescentando que ela se ofereceu para comprar de volta seu filho dos militantes. “Mas, por outro lado, estou triste por ele não estar perto de mim e que ele está sob seu controle.”

Apesar das ofertas de Gule de pagar resgate pela libertação de seu filho, seus seqüestradores se recusaram a deixá-lo ir.

“Se eu tivesse a chance de encontrá-lo, onde quer que ele esteja – mesmo que esteja no meio do inferno – eu iria”, afirmou a mãe.

Residentes da minoria Yazidi, fugindo da violência das forças do Estado islâmico na cidade de Sinjar, caminhando em direção a fronteira síria, nos arredores da montanha de Sinjar, perto da fronteira com o Iraque em 11 de agosto de 2014. (The Christian Post)

A BBC  também compartilhou a história de dois adolescentes Yazidi que foram capturados pelo EI quando o grupo ultrapassou o território Yazidi em 2014.

Lovant e Sabbah, cujos nomes foram alterados por razões de segurança, disseram à imprensa britânica que eles foram detidos pelo EI por mais de um ano e foram forçados a treinar como “filhos do califado” em um dos campos de treinamento jihadistas do EI na Síria, onde havia cerca de 120 meninos treinando para se tornar jihadistas.

A maioria dos meninos no acampamento eram muçulmanos que acreditavam ter sido enviados para lá por suas próprias famílias, disseram os adolescentes.

“Aprendemos como carregar e disparar uma arma, treinávamos para ser soldados e fazíamos exercícios – rastejando sob arame farpado – coisas assim”, explicou Lovant, de 16 anos. “Eles nos ensinaram tudo sobre a guerra.”

Sabbah, 14, afirmou que eles foram forçados a participar de uma forma de prática de alvo onde eles teriam de atirar nos cadáveres de pessoas mortas por serem os chamados traidores da EI.

Os adolescentes também foram forçados a orar, recitar o Alcorão e aprender com os livros didáticos.

“Eles tentaram me lavar o cérebro, seus livros eram como magia, rapidamente mudaram minha mente”, disse Sabbah à BBC. “Eu aposto que não é só comigo, até a mente de um homem mudaria.”

Sabbah acrescentou que os treinadores do EI forçavam as crianças a vigiar o complexo de treinamento à noite e se um dos adolescentes dormia, os instrutores batiam nele.

Felizmente, os meninos foram capazes de escapar do EI com a ajuda de um contrabandista de terceiros que foi capaz de tirá-los da Síria e enviá-los de volta ao Iraque.

Os meninos estão vivendo agora em um abrigo com aproximadamente 80 Yazidis em Baden-Wurttemberg, Alemanha.

“Se eu tivesse ficado lá apenas mais um mês, eu teria me tornado um deles”, disse Sabbah.

Com informações do The Christian Post

A Rede Pentecostal é o maior portal de Notícias Gospel do segmento pentecostal no Brasil.